verão

Doenças de verão

O verão é período de férias, viagens, festas, tempo com a família…, mas também é tempo de doenças e de cuidado com a saúde. Alguns tipos de fungos e bactérias preferem ambientes quentes e úmidos para se proliferar, bem como nosso corpo necessita de mudanças metabólicas para sobreviver as altas temperaturas.

Micoses

Micoses são causadas por fungos, que utilizam do ambiente da pele humana para se proliferar e infeccionar o local. De maneira geral, fungos preferem ambientes úmidos e quentes, por isso durante o verão a incidência desses é maior. A maneira mais eficaz de preferir que o problema apareça é sempre manter o corpo seco e longe da umidade. Trocar de roupa ao sair de piscinas ou do mar e secar-se bem ao sair do banho são atitudes simples e pequenas capazes de prevenir o surgimento de micoses

Desidratação

Durante o verão, é normal que o metabolismo gere mais suor para regular a temperatura corporal ou que a quantidade de urina aumente com o mesmo objetivo, todavia, é necessária uma atenção especial para repor todo o liquido perdido, isto é, a ingestão de água deve ser motivo de maior atenção durante o verão.

Insolação

Como o próprio nome sugere, o problema é decorrente da exposição solar sem os cuidados necessários. Apesar de ser um problema sério, preveni-lo é simples. Passar protetor solar, usar chapéus e preferir a sombra, bem como evitar a radiação solar das 10h00 ás 16h00, quando os raios ultravioletas são mais fortes.

Intoxicação alimentar

A intoxicação alimentar ocorre quando ingerimos alimentos contaminados por vírus, bactérias ou parasitas, todavia, esses preferem o clima mais quente para se instalar nos alimentos. A atenção precisa dobrar quando se tratar de comer fora de casa, uma vez que não há garantias quanto a limpeza dos alimentos e do local de cocção.

convivendo com fumantes

Convivendo com fumantes

É comum ouvir dos problemas de saúde que um fumante pode desenvolver, todavia, pouco se discute a respeito das consequências de se conviver com fumantes, ou seja, absorver a fumaça de maneira passiva.

Apesar de os maiores riscos para a saúde atingirem os fumantes, aqueles que convivem com a fumaça podem apresentar sérios problemas respiratórios, também fatais.

Segundo dados do INCA (instituto Nacional de Câncer), a fumaça da ponta do cigarro possui mais nicotina e monóxido de carbono do que a inalada pelo próprio fumante. Essas substâncias podem permanecer por até 24hrs em um ambiente, isto é, um familiar que fuma por exemplo no banheiro, expõe sua família que utilizar o mesmo cômodo por um dia inteiro aos efeitos do cigarro.

Em se tratando de crianças que tenham fumantes no ambiente doméstico, a atenção é redobrada, uma vez que os mesmos estão em fase de desenvolvimento imunitário e são mais suscetíveis a apresentar problemas de saúde.

Principais doenças causadas pelo fumo passivo

Asma

Os brônquios são uma das estruturas responsáveis por levar ar aos pulmões, quando esses pequenos tubos se inflamam, temos a chamada asma. O problema tem como sintomas faltas de ar e tosse.

Bronquite crônica

A doença pode ter várias causas, mas a forma crônica é comumente associada ao uso do tabaco, sendo a ingestão direta ou indireta. Os principais sintomas envolvem tosse e secreção.

Enfisema pulmonar

O pulmão é o principal órgão do sistema respiratório, enfisemas são obstruções dessa estrutura, causando o mau funcionamento da mesma ou até sua ineficiência. Os sintomas são principalmente falta de ar e respiração ofegante

Aterosclerose

A fumaça dos cigarros também pode causar a formação e o acumulo de placas de gordura em paredes de artérias, como por exemplo as do coração ou do cérebro. O desenvolvimento dessas placas é possivelmente falta, uma vez que o problema não costuma apresentar sintomas durante as fases menos agressivas.