saúde mental

5 sinais de que a saúde mental não vai bem

O corpo está sempre dando indícios quando a saúde não vai bem, e não é diferente com a saúde mental. Apesar de cada doença ter a sua peculiaridade, alguns sintomas são indicativos de que a ajuda médica é necessária.

  1. Qualidade de sono: diversos fatores interferem na qualidade do sono, desde o cansaço do dia a dia até a temperatura ambiente, porém, noites mal dormidas, ou sono em excesso, são possíveis indícios de que algo não está bem.
  2. Falta de concentração: quem nunca teve um dia exaustivo e não conseguiu se concentrar mais para terminar as tarefas? Isso é normal! Contudo, o problema não pode ser persistente. Esquecer as coisas, não se concentrar e ter dificuldade em realizar tarefas, não é normal.
  3. Ansiedade: a ansiedade é tanto uma doença como um sintoma. Se sentir ansioso de vez em quando é normal, mas essa sensação não pode atrapalhar o seu dia a dia e não pode te prejudicar.
  4. Apetite: há duas situações opostas que indicam problemas emocionais, a primeira delas é a falta de apetite, a segunda é o excesso.
  5. Alterações na libido: não sentir mais prazer ou vontade de se relacionar sexualmente, são sintomas comuns de pacientes com a saúde mental abalada.

É importante buscar ajuda médica assim que os sintomas surgirem, assim como manter uma boa alimentação e realizar exercícios, o corpo também necessita de uma estabilidade emocional para funcionar direito. Com a evolução dos problemas, pacientes podem desenvolver sudorese, arritmias cardíacas e dores por todo o corpo.

Cada vez mais, doenças de cunho psicológico afetam pessoas de todas as idades e gêneros. Procure um médico, converse com um especialista. Não espere que o problema aumente, quanto mais cedo o tratamento for iniciado, mas efetivo será.

mulher com crise de esquizofrenia

Sintomas da esquizofrenia

O que é esquizofrenia?

Pessoas com esse problema possuem uma dificuldade em saber o que é real e o que é fruto da própria imaginação, ou seja, por consequência de uma alteração no cérebro, o paciente passa a ter pensamentos abstratos e trata-los como verdade.

A esquizofrenia não é um transtorno de personalidade, mas sim uma doença de cunho crônico. Apesar de poder acometer qualquer idade, a doença é mais comum entre o final da adolescência e o começo da vida adulta.

Tipos de esquizofrenia:

Paranoide: o paciente apresenta alucinações e delírios

Desorganizada/ heberfrência: o paciente manifesta pensamentos ou discursos fora do contexto em que esse está, contudo, geralmente não sai da realidade por completo

Catatônica: caracterizada por alterações de postura, isto é, o paciente permanece em posições anormais por longos períodos e há uma resistência em mudar de posição. O paciente permanece completamente fora da realidade durante as crises.

Simples: nesse caso não há delírios ou alucinações, mas sim uma progressão dos sintomas, ou seja, aos poucos o paciente vai perdendo o contato com a realidade e a capacidade de socializar.

O que causa a esquizofrenia?

Assim como diversas doenças de cunho neurológico e psiquiátricos, são se sabe ao certo as causas dessa doença.

Quais são os sintomas da esquizofrenia?

Delírios:

Delírios são caracterizados por uma dissociação entre a realidade e o imaginário, ou seja, a pessoa passa a não mais divergir o mundo real daquele que ela teoriza. Um exemplo de delírio é quando o paciente acredita estar sendo perseguido ou sendo controlado por outras pessoas.

Alucinações:

Diferente dos delírios, nas alucinações, os pacientes veem e ouvem coisas que estão fora da realidade. Indivíduo que apresentem alucinações, no entanto, conversam com as vozes que ouvem e interagem com os cenários que veem, mesmo estes não existindo fora da mente do paciente.

Pensamento desorganizado:

É comum também, a dificuldade em formular frases e em comunicar-se, isto é, o paciente por estar fora da realidade, não consegue manter uma linha de raciocínio e consequentemente uma interação social efetiva.

Outros sintomas:

Alguns outros indícios também podem ser notados em pacientes esquizofrênicos, como por exemplo irritabilidade, humor depressivo, dificuldade em concentração, fala monótona, isolamento social e incapacidade de sentir prazer.

Borderline

Borderline: personalidade limítrofe

O que é Borderline?

O Borderline, igualmente chamado de transtorno de personalidade limítrofe, é um distúrbio mental caracterizado por instabilidade em relações interpessoais, relações de afeto e até mesmo na autoimagem.

Pacientes com borderline possuem um medo constante de serem abandonadas, seja no entanto por parte de familiares ou parceiros. A instabilidade apresentada pela doença requer cuidados e compreensão por parte daqueles que convivem com o paciente.

Uma das consequências mais preocupantes do Borderline, é a maneira como o paciente manifesta seu medo pelo abandono. Agressividade e sentimentos exagerados são dificuldades a serem controladas por meio do tratamento adequado. Aproximadamente 10% dos pacientes com Borderline, cometem suicídio.

Quais as causas?

Assim como a maioria dos problemas psicológicos, não há uma causa exata para a doença.

Quais são os sintomas mais comuns que uma pessoa com Borderline apresente?

Apesar de cada caso ser único, é comum que o paciente realize esforços desesperados para evitar o abandono, possua relacionamentos instáveis e intensos (ora são perfeitos, ora catastróficos). Além disso, também é comum a impulsividade, principalmente em áreas potencialmente destrutivas (gastos, sexo, álcool, drogas, compulsão alimentar, direção irresponsável etc.).

O sentimento crônico de vazio e a raiva intensa também são habituais a pessoas com Borderline

Como é feito o diagnóstico do transtorno de personalidade limítrofe?

O diagnóstico geralmente leva um pouco de tempo e exige uma análise clínica minuciosa. É comum que o paciente procure ajuda se autodiagnosticando com ansiedade ou pânico, todavia, os sintomas apesar de serem parecidos, possuem suas características únicas.

Existe tratamento para borderline?

Sim, todavia, não há medicamentos que se mostrem efetivos, por isso é essencial realizar sessões de psicoterapia regularmente.

É necessário encontrar um profissional qualificado para tratar desse problema, e ressaltamos também a importância da família. Para aqueles que não possuem a doença é difícil entender como pequenas atitudes podem atingir o paciente, por isso a família deve também ouvir o psicólogo e procurar uma maneira de auxiliar o tratamento no dia a dia em casa.

pessoa com tept

TEPT: Transtorno de Estresse Pós-Traumático

O que é Tept?

O Transtorno do Estresse Pós-Traumático (TEPT) é um distúrbio que ocorre após a pessoa ter vivenciado um trauma, podendo ser um assalto, um acidente ou qualquer situação de risco de vida para o indivíduo. O indivíduo então passa a reviver o trauma com as mesmas sensações do momento passado.

É TEPT ou ansiedade?

Apesar de os sintomas serem muito parecidos, pessoas com TEPT possuem um “gatilho” para seus sintomas, ou seja, pessoas ansiosas apresentam sintomas contínuos ou sem motivo aparente, porém pacientes com TEPT desencadeiam os sintomas após um trauma (físico ou psicológico).

Qual a causa?

A causa é algum trauma que o paciente tenha vivenciado.

O trauma pode ter sido físico?

Sim, exemplos são acidentes de carro, assaltos, abusos físicos entre outros.

O trauma pode ter sido, entretanto, de ordem psicológica?

Sim, traumas psíquicos são tão perigosos como os físicos, exemplos de traumas psicológicos são: humilhações, assédios, violência moral entre outros.

Quais os sintomas do transtorno do estresse pós-traumático?

Os sintomas variam de acordo com o tipo de trauma que o paciente vivenciou, ainda assim, é comum que o indivíduo apresente sudorese, ansiedade, taquicardias, pesadelos, tonturas entre muitos outros.

Os sintomas podem ser facilmente confundidos com depressão ou síndrome do pânico. Porém, no caso do TEPT, o paciente apresenta os sintomas ao reviver a situação, ou seja, se a causa foi um acidente de carro, o indivíduo pode se sentir ansioso ao entrar em um veículo.

Qual o tratamento?

Cada situação exige um tratamento médico diferente, porém é comum o uso de medicamentos e psicoterapia.

Homem com depressão

Depressão? Tristeza? Desânimo?

O que é Depressão?

Depressão é um distúrbio mental que faz com que o paciente se sinta com tristeza profunda, desanimo e diversos sintomas que afetam a rotina diária do enfermo. A doença vem sendo cada vez mais comum na atualidade e pode atingir todas as idades e ambos os sexos.

O que causa depressão?

Há diversas causas para esse problema, mas a predisposição genética vem se mostrando um fator comum entre os pacientes. Situações de estresse, trauma, uso de drogas e álcool também se mostram possíveis causas.

Você sabia? as chances de ter depressão aumentam após a menopausa

Quando eu devo procurar ajuda profissional?

Diferente de outras áreas médicas, não há consultas de Check-up para psiquiatria ou psicologia, todavia, procurar um médico psiquiatra não significa certamente que você tenha algum problema.

Um dos indicativos de que o paciente deve procurar um especialista é quando perceber um sofrimento ou mal que persiste e que esteja gerando prejuízo no dia a dia.

Sentir tristeza, medo e ansiedade é normal, mas quando esses sintomas interferem na sua rotina, é hora de procurar um médico.

Depressão ou Tristeza?

Tristeza é um dos sintomas da depressão, mas a depressão é um conjunto de sintomas maiores. Tristeza extrema, entretanto, com duração maior do que 2 semanas, pode ser um dos indicativos da doença

Depressão tem cura?

Essa é uma pergunta difícil de responder, não podemos chamar de cura, mas sim de controle dos sintomas. Porém, é comum que haja a cronificação do quadro depressivo, ou seja, a recorrência dos sintomas

Há mais de um tipo de depressão?

Sim, há mais de um tipo, porém é possível que haja uma mistura de tipos. Cada paciente possui um quadro único que deve ser avaliado somente por um especialista.

Portanto, algumas categorias que um psiquiatra poderá encaixar o paciente são:

  • unipolar,
  • bipolar,
  • leve,
  • moderada,
  • grave,
  • primeiro episódio,
  • quadro recorrente.
Pessoa com a mão na cabeça demonstrando desespero

Síndrome do Pânico, quais os sintomas?

O que é síndrome do pânico?

É um transtorno mental em que o indivíduo se sente ansioso e com medo mesmo que não esteja em situação de risco. Entretanto, as crises podem durar minutos, dias ou meses e acontecem sem explicação aparente.

Uma vez que o paciente é diagnosticado com pânico, é comum que outras doenças como depressão e ansiedade apareçam em conjunto. É necessário, portanto, realizar tratamentos como psicoterapia afim de amenizar os efeitos da doença.

Possui alguma causa conhecida?

Estudos vem sendo realizados a respeito de possíveis fontes como predisposição genética ou ambientes de estresse. Porém, não há uma causa conhecida.

Assim como outros transtornos mentais, o pânico pode atingir qualquer idade a qualquer momento, todavia, diferente de doenças fisiológicas, não há fatores de risco para se desenvolver a síndrome do pânico.

Quais são os sintomas que a síndrome do pânico apresenta?

Entre os sintomas mais comuns estão: medo, sensação de estar perto de morrer, de enlouquecer ou de perder a razão.

Porém, sintomas físicos como taquicardia, palpitações, dor, pressão no peito, falta de ar, sensação de sufocamento, tonturas e vertigens também podem surgir.

É possível que o paciente apresente náuseas e vômitos, sensação de frio ou calor intenso, sudorese e tremores (característicos do medo e da liberação de adrenalina).

É comum ter depressão ao mesmo tempo que síndrome do pânico?

Sim, doenças psicológicas costumam se sintomatizar, portanto é comum que pessoas com um quadro psicológico afetado, apresente mais doenças.

Como é feito o tratamento para síndrome do pânico?

De forma geral, a psicoterapia e o uso de medicamentos antidepressivos, são os métodos mais utilizados.

Realizar exercícios pode ajudar no tratamento?

Sim! Assim como diversas doenças psicológicas, ter um hobby e manter o corpo ativo, podem estimular a mente a trabalhar de forma mais saudável. A prática esportiva é um ótimo método para auxiliar o tratamento de diversas doenças.