exercício

A atividade física também requer cuidados

Todos sabemos da importância da prática esportiva para a saúde, porém, é necessário uma série de cuidados para que os exercícios não tragam ainda mais problemas e dores. Cada vez mais, pessoas buscam dietas radicais e atividades físicas pesadas para atingir o corpo perfeito. Mas até onde isso é saudável?

Atingir seus objetivos requer tempo, dedicação e um acompanhamento médico. Não existe dieta nem exercício que faça a diferença em pouco tempo, é necessário mudar hábitos alimentares e criar uma rotina de atividades físicas.

E como evitar lesões do esporte?

Lesões do esporte são uma das principais preocupações na hora de iniciar uma atividade física. Médicos indicam que sempre haja o acompanhamento de um profissional, afim de garantir a postura adequada e as pausas necessárias durante os exercícios.

Outro cuidado importante é o de alongar-se antes e depois da prática. Alongamentos como pré-treino, tem a intenção aquecem e preparam os músculos, já no pós, relaxam a musculatura que ficou tensa.

A musculação também deve fazer parte da rotina de cuidados com o corpo, tendo como objeto, fortalecer a musculatura e consequentemente evitar que a mesma sofra com torções ou rompimentos. Outro método eficaz de se atingir um fortalecimento muscular, é através do Pilates.

Sempre consulte seu médico antes de iniciar qualquer prática esportiva.

E quanto a alimentação?

Em se tratando de alimentação, quem pratica exercícios devem estar atentos para ingerir as quantidades corretas de cada tipo de nutriente. Os médicos chamam a atenção para a ingestão adequada de ferro, que deve ser feita sempre em conjunto com vitamina C, para que a absorção ocorra de maneira efetiva.

Alimentos ricos em água, como frutas, também devem fazer parte da alimentação, até mesmo antes do treino ou após o mesmo. Como já é de conhecimento popular, fibras, legumes e folhas também são imprescindíveis para manter um corpo saudável e evitar complicações durante a pratica esportiva.

Consulte um nutricionista antes de iniciar qualquer dieta.

Medico enfaixando a mão de um paciente

O que é dedo em gatilho?

O que é dedo em gatilho?

O dedo em gatilho é a inflamação do tendão, responsável pelo dedo dobrar, portanto, essa inflamação faz com que o dedo em questão permaneça constantemente dobrado. Caso o paciente tente abrir é possível sentir dor ou não.

A inflamação crônica, contudo, pode ocasionar a formação de um nódulo na base do dedo.

O dedo anelar, o dedo médio e o polegar, são em suma os mais atingidos, sendo que mulheres de meia idade também são as que mais sofrem com o problema.

Quais são os sintomas?

Os sintomas incluem dor na palma da mão ou base dos dedos, enrijecimento do músculo e possivelmente o inchaço do dedo também ocorra. Além disso, como o próprio nome sugere, ouvir um barulho como de um gatilho ao dobar o dedo ou esticar, é o principal sintoma.

Quais as causas do dedo em gatilho?

Causas frequentes são a realização de atividade de repetição, diabetes descontrolada e doenças reumáticas, contudo, na grande maioria dos casos não há uma causa conhecida.

Existe também o caso congênito, ou seja, que já nasce com a criança, nesses casos o especialista avaliará o quadro da criança para indicar o melhor tratamento.

Como é feito o diagnóstico desse problema?

O diagnóstico é realizado através de análise clínica, portanto, é necessário um especialista qualificado para o diagnóstico

Qual especialista procurar?

O especialista mais indicado para tratar do dedo em gatilho, é o ortopedista

Como é feito o tratamento para o dedo em gatilho?

De maneira geral, o ortopedista avalia cada caso e prescreve um tratamento diferente. Mas apesar de cada caso ser único, repouso, uso de tala e compressas são os métodos comuns.

Todavia, em casos graves pode haver necessidade de cirurgia, que é realizada com anestesia geral. A recuperação apesar de rápida requer uma volta gradativa das atividades do paciente.

costas

Escoliose: congênita, neuromuscular ou idiopática

O que é escoliose?

A escoliose é uma curvatura anormal da coluna vertebral, que pode ser acompanhada de rotação das vértebras. Entretanto, há três tipos mais frequentes: a congênita, a neuromuscular e a idiopática.

Além das categorias citadas, o grau da doença pode ser medido através do nível de curva da coluna, ou seja, quão angulada é a postura.

A curvatura da escoliose é sempre igual?

Não, como já falamos anteriormente, há diferentes classificações para a doença, porém, a curvatura da coluna também muda, de acordo com o local em que as vértebras rotacionaram.

Como é realizado o diagnóstico da doença?

Geralmente o médico ortopedista percebe os primeiros sinais com exames clínicos (pois a curvatura é visível), contudo, há exames laboratoriais que são mais conclusivos.

Os principais exames que comprovam a doença são a radiografia, a tomografia ou a ressonância.

Quais são os sintomas?

O principal sintoma é físico, pois a pessoa possui uma curva visível na coluna.

O paciente pode sentir dor ou não, o que depende do quadro que esse apresenta.

O que causa a Escoliose?

A escoliose congênita, tem sua causa na má formação óssea ainda em fase gestacional.

A escoliose neuromuscular é causada por problemas de cunho neurológico, como por exemplo paralisia cerebral, distrofia muscular ou espinha bífida.

A idiopática, entretanto, não possui uma causa conhecida ainda.

A escoliose possui tratamentos?

O tratamento geralmente é feito através de cirurgia ou uso de colete cervical.

É comum que pessoas com escoliose sejam direcionadas para fisioterapia.

Qual o médico mais indicado para tratar a escoliose?

O médico responsável é o ortopedista.

Pessoas com essa doença podem realizar exercícios?

Sim, os exercícios podem até mesmo auxiliar no trato da doença, porém, é necessário um especialista para indicar uma rotina de exercícios que não seja prejudicial á saúde.

Um exercício errado pode não só ser doloroso como pode piorar o quadro geral do paciente.

pessoa com tendinite

Tendinite: inflamação dos tendões

O que é tendinite?

Há uma fibra de nome “tendão” que liga um músculo a um osso. Essa fibra pode sofrer uma inflamação, assim caracterizando um quadro de tendinite.

Quais os indícios da tendinite?

O principal sintoma costuma ser a dor, entretanto, essa pode evoluir se não tratada. A dor quando evolui, significa um agravamento do quadro inflamatório, que por fim pode causar espasmos, fadiga, sensação de peso e inchaço.

Por se tratar de uma inflamação, os sintomas podem ser mais fortes durante os períodos de frio, uma vez que os tendões se enrijecem com temperaturas mais baixas.

O que causa a tendinite?

Ossos e músculos possuem grande força e elasticidade respectivamente, todavia, os tendões são facilmente danificados causando a tendinite.

Em suma, a origem da doença pode ser tanto esforço físico contínuo como falta de alongamento ou qualquer outro esforço que leve os tendões a inflamar.

Como é realizado o diagnóstico da tendinite?

O diagnóstico pode ser realizado tanto no próprio consultório, através de testes de estresse ou até mesmo por análise do histórico e exames de palpação. Todavia, há casos em que o diagnóstico pode ser realizado por exames laboratoriais, como por exemplo um ultrassom ou uma ressonância magnética.

Possui algum tipo de tratamento?

De forma geral o tratamento é feito por medicamentos que irão amenizar a dor e fisioterapia que evitará uma nova inflamação. Porém cada caso é único e deve ser avaliado por um especialista.

Qual médico procurar?

O médico mais indicado para o trato da tendinite, é o ortopedista.

Quem possui tendinite, pode realizar atividade física?

Sim, os exercícios podem até mesmo auxiliar no trato da doença, porém, é necessário um especialista para indicar uma rotina de exercícios que não seja prejudicial a saúde.

Quem sofre desse processo inflamatório, sente muitas dores e um exercício errado pode não só ser doloroso como pode piorar o quadro geral do paciente.