mulher com ELA

Esclerose Lateral Amiotrófica (ELA)

O que é a doença de ELA?

Também chamada de Esclerose lateral amiotrófica, a doença de ELA, causa problemas no sistema nervoso, fazendo então, com que esse tenha uma paralisia motora irreversível.

A perda de movimentos é contínua e pode chegar ao ponto de o paciente perder a capacidade de deglutir e respirar, levando assim muitas vezes o paciente ao óbito.

Os neurônios, que são responsáveis pela transmissão de mensagens para o músculo, se desgastam ou morrem, o que a curto e médio prazo ocasiona o enfraquecimento muscular, e posteriormente a incapacidade de mover-se e respirar.

Como a doença de ELA é diagnosticada?

Primeiramente é necessária uma avaliação clínica dos sintomas, contudo, para confirmar o diagnóstico é possível que p paciente seja submetido a exames laboratoriais como por exemplo exames de sangue, testes respiratórios, tomografia computadoriza, ressonância magnética entre muitos outros.

O que causa a doença de ELA?

As causas do problema ainda não desconhecidas, todavia, sabe-se que em 10% dos casos os pacientes apresentam defeitos genéticos.

Por se tratar de um problema genético, não há fatores de risco para se desenvolver a doença.

Quais os sintomas da doença de ELA?

Como a doença atinge os músculos, o primeiro sintoma característico é a perda gradual de força ou de coordenação motora. No entanto, é possível que o paciente apresente dificuldade de engolir e respirar, cãibras musculares e contrações musculares, além de perda de peso e problemas de dicção.

Por ser um problema muscular, raramente a doença irá afetar os sentidos (visão, audição, paladar, olfato e tato) ou o funcionamento cognitivo do paciente.

Existe cura para a doença de ELA?

Infelizmente mesmo com os avanços da medicina, a doença ainda não possui cura. Todavia, existem tratamento que podem melhorar a qualidade de vida do paciente e possivelmente retardar a evolução da doença.

Enxaqueca

Dores de cabeça não são normais.

Viver com dor não é a única saída

Por mais que a cura possa não ocorrer, a doença possui tratamento.

O problema, no entanto, é considerado crônico quando o paciente apresenta mais de três crises por semana ou pelo menos quinze dias em um mês (consecutivos ou não).

Diversos tratamentos já foram utilizados como maneira de buscar a cura para a enxaqueca, porém, a aplicação de toxina botulínica vem se mostrando um dos métodos mais efetivos atualmente.

Você sabia? A enxaqueca é um problema que atinge mais de 30 milhões de Brasileiros

Você conhece os tipos de dores de cabeça?

centenas de tipos de dores de cabeça, contudo, separamos as três mais comuns.

Dor de cabeça tensional:

Causada pela rigidez dos músculos do pescoço, costas ou coro cabeludo, a dor de cabeça tensional é caracterizada por pressão na nuca ou testa ou seja, há uma sensação de peso nessas áreas.

Enxaqueca:

A enxaqueca geralmente é caracterizada por dor intensa e pulsante, que pode causar prejuízos na visão, sensibilidade a cheiros e dificuldade de concentração. Suas causas no entanto são desconhecidas.

Dor de cabeça por conta de sinusite:

A dor de cabeça causada pela sinusite costuma ser forte e piorar ao abaixar a cabeça ou deitar. A dor ocorre nos seios da face (conhecido popularmente como maçã do rosto)

Causas das dores de cabeça

Apesar de muitas não possuírem causas exatas, é possível apontar alguns agentes que causam esse tipo de dor.

  • Ansiedade/Depressão
  • Estresse
  • Sono ruim
  • Má alimentação
  • Postura inadequada
  • Exposição a cheiros fortes
  • Esforço físico em demasia

Como é feito o diagnóstico da dor de cabeça?

O diagnóstico requer uma análise clínica dos sintomas, contudo, é comum que o médico solicite exames de ressonância magnética para descartar problemas maiores como tumores ou traumas na massa encefálica.

Qual especialista procurar para tratar as dores de cabeça?

O médico mais indicado é o neurologista, especialista que trata dos distúrbios estruturais do sistema nervoso central e periférico e todas as doenças que ele envolve. É treinado para investigar, diagnosticar e tratar distúrbios neurológicos.

Mulher com dores de cabeça

Dor de Cabeça, cefaleia ou enxaqueca?

O que é a enxaqueca?

Dor é um sintoma e não uma doença. Todavia, sentir dor incomoda e deve ser investigado a causa.

Em se tratando de dor de cabeça especificamente, há diversas causas simples de se resolver com reeducação alimentar ou com um sono mais qualificado. É importante não se automedicar nem mesmo seguir tratamentos de outras pessoas. Dores podem, no entanto, ser indicativos de doenças maiores, procure um especialista.

Sintomas além de dor?

Caso sinta dor de cabeça acompanhada de dormência de alguma parte do corpo, vá ao médico imediatamente.

A dor em si já é um sintoma, entretanto, quando acompanhada de outros sintomas, pode ser um indicativo de algo maior.

Por vezes, a dor de cabeça é forte e pode causar irritabilidade, desconforto, dor nas costas, dificuldade em enxergar e atrapalha a vida do paciente.

O que causa dores de cabeça?

As causas podem ser diversas. Há casos em que estresse, noites mal dormidas ou intervalos grandes sem comer podem gerar dores de cabeça, mas há também casos mais graves que requerem urgência no diagnóstico e tratamento.

Tratamento para dor:

O tratamento depende exclusivamente da causa.

É comum que a enxaqueca seja causada por má respiração, e nesses casos o tratamento requer ajuda de um otorrino. Em casos de dores devido má alimentação, a nutricionista também poderá auxiliar o paciente.

Qual especialista procurar?

De forma generalizada o neurologista é o médico mais indicado para tratar dores de cabeça, contudo, dependendo da causa, pode ser preciso mais de um médico para que o tratamento seja efetivo.

Mas é dor de cabeça, enxaqueca ou cefaleia?

Dor de cabeça (constante) é o nome popular da cefaleia, e a enxaqueca é o primeiro estágio da cefaleia, portanto, os três termos são de maneira generalizada a mesma coisa.

Porém, dores de cabeça esporádicas não se classificam como cefaleia.

parkinson

Parkinson: sistema nervoso?

O que é Parkinson?

O parkinson é uma doença do sistema neurológico que afeta a coordenação motora. Os sintomas começam de maneira mais leve e se intensificam com o tempo.

Pesquisas recentes, vem mostrando que apesar de a doença poder acometer qualquer sexo e idade, homens idosos apresentam números relevantes de casos a mais que mulheres da mesma idade.

É importante lembrar que apesar de ser popularmente caracterizada pela dificuldade motora, a doença pode acometer outras funções do corpo como o olfato, a cognição ou até mesmo o comportamento.

Os sintomas do parkinson vão além de tremores?

O primeiro sintoma é a dificuldade motora fina, causada por tremores e espasmos musculares. Com a evolução da doença o paciente tem dificuldade em se equilibrar, problemas de constipação e passa a ter pouca expressão facial.

O que causa o parkinson?

As causas são desconhecidas, mas há estudos que a decorrência de exposição a herbicidas e pesticidas podem ser fatores de risco. A doença acomete principalmente pessoas idosas.

Como é feito o diagnóstico?

O diagnóstico requer exames clínicos e possivelmente análises de funções neurológicas, uma vez que não há um exame específico que identifique a doença.

Qual médico procurar para tratar o parkinson?

O médico mais indicado para tratar pessoas com parkinson é o neurologista.

O parkinson tem tratamento?

Não há cura para o Parkinson, entretanto há tratamentos medicamentosos ou cirurgias que podem retardar a evolução da doença.

A fisioterapia é também de extrema importância para pacientes com parkinson.

Convivendo com a doença

Logo no início da doença o paciente consegue manter uma vida normal dentro obviamente, das limitações que vão surgindo. Todavia, com a evolução dos sintomas, o paciente pode ficar cada vez mais dependente de ajuda externa.

Nos dias de hoje, com os avanços da medicina, é possível retardar o surgimento consideravelmente, propiciando uma qualidade de vida melhor ao paciente.

Tomografia mostrando lesão no cérebro

AVC (acidente vascular cerebral)

O que é avc?

Também conhecido como derrame, ocorre quando a passagem sanguínea não ocorre como deveria, sendo a causa um bloqueio de uma artéria ou o rompimento da mesma. O primeiro caso se chama “AVC isquêmico” e é mais comum.

Apesar de ser comumente associado ao coração, é uma doença do encéfalo.

O acidente vascular cerebral pode deixar sequelas físicas ou mentais, porém, não quer dizer que todos os casos sejam iguais.

Existem dois tipos, quais são eles?

O primeiro tipo é o AVC isquêmico, que tem como causa o bloqueio de uma artéria. O segundo caso se chama hemorrágico, e é consequência do rompimento de uma artéria.

Quais são os sintomas do avc?

Geralmente os sintomas vem com intensidade e de maneira repentina, os mais comuns são perda muscular súbita, perda de visão repentina ou dificuldade de falar e compreender.

A dor de cabeça é comumente associada ao AVC contudo, nem sempre a dor aparece como um alerta.

O que causa o avc?

As causas costumam ser variadas, entretanto há fatores de risco que aumentam as chances de um paciente sofrer um AVC, em suma a hereditariedade, diabetes, tabagismo, obesidade, alcoolismo e sedentarismo são os principais fatores de riso.

O histórico de infarto recente também aparece como causa ou fator de risco.

Apesar fica cada vez mais comum com os avanços da idade, nem mesmo crianças estão imunes a doença.

Existe tratamento para o avc?

Antes de se procurar um tratamento, dirija-se a um médico com urgência ao sinal de qualquer sintoma. O tratamento pode ser feito com uso de medicamentos ou com cirurgia

Pacientes que sofreram um AVC podem continuar com uma vida normal, mesmo que tenha sido necessário realizar cirurgia.

Qual médico procurar?

Por se tratar de uma doença do encéfalo, o neurologista é o médico mais indicado, todavia, em pacientes com histórico de derrames é aconselhado realizar consultas com um Cardiologista e/ou um vascular.