hidrocefalia

Hidrocefalia não é só em bebês

A hidrocefalia é caracterizada pelo acúmulo de líquido cefalorraquidiano no interior da cabeça, esse acúmulo pode ocorrer devido a uma disfunção na produção e reabsorção do líquido ou por alguma obstrução que impeça a drenagem. O problema pode ocasionar danos estruturais no cérebro e requer atenção.

O que causa a hidrocefalia?

O problema pode ser congênito, ou seja, adquirido ainda durante a formação gestacional. Nesses casos, a doença é diagnosticada no pré-natal ou ainda nos primeiros messes de vida. Apesar de as causas exatas muitas vezes não serem conhecidas, mães que possuem doenças infeciosas, são mais propensas a terem filhos com acúmulo de líquido craniano.

A chamada espinha bífida, é uma má-formação na medula espinhal, e é em suma, a causa mais frequente da hidrocefalia, sendo seguida pelo nascimento prematuro e de baixo peso.

É possível adquirir o problema após algum trauma como uma hemorragia, AVC, traumatismo craniano e etc. Por vezes, a popularmente chamada “solitária” pode atingir a medula espinhal, e causar o problema.

Quais os sintomas da hidrocefalia?

Em bebês e recém-nascidos que não tenham sido diagnosticados previamente durante o pré-natal, os indícios são principalmente o crescimento acelerado da cabeça (visivelmente maior) e a fontanela (moleira), pode ter uma aparência dilatada. Olhos voltados para baixo e atraso psicomotor também são indícios do acúmulo do líquido cefalorraquidiano.

Em crianças maiores e adultos, os indícios são desde dores de cabeça e sonolência, até vômitos e convulsões. Por acometer o cérebro, os mais variados sintomas podem surgir.

Em idosos, no entanto, os sintomas se parecem muito com o de outas doenças como o Alzheimer, ou seja, perca de memória e declínio mental, são os indícios mais comuns. Alguns pacientes apresentam dificuldade em reter a urina e lentidão de movimento.

Qual o tratamento para a hidrocefalia?

O tratamento depende exclusivamente da causa, ou seja, se o problema é uma decorrência de um trauma ou de um verme, o tratamento pode envolver medicação e acompanhamento, contudo, em casos congênitos é necessário avaliar o quadro geral do paciente, sendo que a cirurgia para regular a pressão craniana pode ser necessária.

hematoma subdural

Hematoma Subdural tem cura?

O que é um hematoma subdural?

Há um espaço entre o encéfalo e o crânio, quando esse espaço fica com sangue, temos o hematoma subdural, o problema é geralmente associado a traumas na cabeça, por isso, procure um médico quando bater a cabeça.

O trauma pode ser sido grave ou leve, porém, ambos requerem atenção pois o problema pode ser fatal.

O que causa um hematoma subdural?

Como dito, as causas são traumas na cabeça, dentre tantas situações que podem ocasionar o trauma, é possível citar acidentes de carro, golpes na cabeça e quedas, por vezes até mesmo de baixas alturas. Em alguns casos mais raros podem ser uma consequência de punção lombar.

Quais os sintomas do hematoma subdural?

Os sintomas podem surgir na hora do trauma ou algum tempo depois. Alguns pacientes podem entrar em coma antes mesmo de conseguir procurar ajuda ou que o socorro chegue. Em casos menos graves, no entanto, o paciente pode demorar dias para apresentar os sintomas.

Dentre os indícios mais comuns, estão a dor de cabeça, confusão mental, tonturas e sonolência. Alguns pacientes relatam dificuldade em falar e enxergar, porém, cada caso é único e os sintomas variam de acordo com o trauma, idade do paciente e etc.

Como diagnosticar um hematoma subdural?

O diagnóstico requer exames de imagem, como a tomografia computadorizada ou uma ressonância magnética. Alguns especialistas costumam solicitar um hemograma para compreender melhor o quadro geral do paciente.

É sempre necessário realizar exames de pressão arterial e frequência cardíaca.

Hematoma subdural tem tratamento?

Em casos mais leves, não há tratamento, apenas acompanhamento do quadro do paciente, contudo, em casos mais graves, pode ser necessário realizar cirurgia para reduzir a pressão dentro do cérebro.

Quando ocorre a perda de memória, dificuldade na fala ou desmaios, pode haver necessidade de tratamentos para sequelas, envolvendo outros especialistas como psiquiatras e neurologistas.

dores nas costas

Dores nas costas: o que você precisa saber

Mais de 80% das pessoas já apresentou ou ainda vai apresentar problemas de dores nas costas, contudo, somente um número muito pequeno de pacientes desenvolve problemas maiores após crises de dor.

Ficar deitado não ajuda

Não, estudos indicam que repouso por longos períodos ou permanecer deitado muito tempo, podem até mesmo agravar o caso de dor. Durante os primeiros dias, evitar esforço repetitivo ou em demasia, pode auxiliar no tratamento, mas de maneira geral, a falta de exercícios é um dos fatores causadores da dor nas costas.

Sono afeta dor nas costas

Uma noite de sono de qualidade é necessária para que a vida continue, porém, o que pouco se diz a respeito, é que noites mal dormidas, podem causar dores nas costas. Não somente a postura durante o sono influencia no surgimento de dor, mas também a qualidade do sono.

Exercícios não fazem a coluna doer mais

Muitas pessoas têm medo de realizar exercícios físicos durante crises de dor, porém, a prática de exercícios auxilia a recuperação do paciente. Subir escadas, natação e até musculação são indicados para pacientes com dores nas costas, o importante é sempre consultar um especialista antes de iniciar a atividade física e realizar o acompanhamento médico.

A fisioterapia pode ser o primeiro caminho

Realizar uma cirurgia ou fazer uso contínuo de medicação, não é bom para nenhum organismo, contudo, por vezes um tratamento mais invasivo é necessário. Muitos pacientes recorrem a fisioterapia como um tratamento para dores nas costas, e o resultado se mostra efetivo. Muitos médicos indicam o tratamento fisioterápico para casos mais leves.

Pedras nos rins causam dores nas costas

Um dos sintomas das pedras nos rins são as dores nas costas, mas não só isso como infecção nos rins também. A dor geralmente é repentina e surge na região lombar, de um lado apenas ou em ambos.

homem com dor devido hérnia de disco

Hérnia de disco: Posso realizar exercícios físicos?

O que é hérnia de disco?

A coluna vertebral é estruturada pelas vértebras. Entre elas existem discos intervertebrais, que amortecem movimentos e evitam atrito na região.

Com o tempo, esses discos podem sair da posição normal e consequentemente apertar alguma raiz de nervo da coluna, causando as hérnias de disco.

Hérnias podem ser muito dolorosas e, portanto, requerem uma atenção especial.

Quais são os sintomas da hérnia de disco?

A dor no local afetado (coluna) pode ou não surgir, pode ser leve ou intensa. É possível que o paciente sinta dor na perna, coxa ou no braço.

O que causa hérnias de disco?

A principal causa é o esforço repetitivo, ou seja, pela repetição de movimentos, há o desgaste dos discos intervertebrais.

Entretanto, sobrepeso e predisposição genética atuam como fatores de risco para o surgimento da doença.

Existe um exame das vértebras?

O diagnóstico é geralmente realizado após exame clínico, porém, para um reconhecimento preciso é necessário realizar raio X ou Eletromiografia.

Qual é o tratamento?

O tratamento pode variar com o nível de dor do paciente e o local onde a hérnia está apertando o nervo, todavia o uso de medicamentos e fisioterapia é comum como forma de tratamento.

Em casos mais sérios podem ser realizadas infiltrações e até cirurgias.

Qual é o médico responsável por tratar esse problema?

Hérnias são tratadas de acordo com a localização da mesma, portanto as hérnias de disco (coluna) requerem um neurocirurgião para medicar e possivelmente operar o paciente.

Quem tem hérnia de disco pode realizar esportes?

Sim, os exercícios podem até mesmo auxiliar no trato da doença, porém, é necessário um especialista para indicar uma rotina de exercícios que não seja prejudicial á saúde.

Quem sofre de hérnias de disco, sente muitas dores e um exercício errado pode não só ser doloroso como pode piorar o quadro geral do paciente.

Tumor cerebral

Tumor Cerebral: entenda os sintomas

O que é tumor?

O tumor cerebral é uma massa de células anormais que se localiza no cérebro.

O tumor pode ser benigno ou maligno, de modo que apenas o segundo é considerado câncer.

Existe mais de um tipo de tumor cerebral?

Sim, além de benigno e maligno, o tamanho, formato e localização do tumor também influenciam em sua especificidade.

Uma vez que o cérebro é uma massa complexa, cada parte afetada corresponde a um diferente problema e consequência.

O que é metástase?

Um tumor é uma massa isolada, a metástase se caracteriza pela multiplicação de tumores por outras partes do corpo ou até mesmo da própria cabeça.

Quais são os sintomas do tumor cerebral?

Como o cérebro possui diferentes regiões e diferentes funções, os indícios podem variar de acordo com a localização da massa causadora do problema.

Em princípio, tumores não costumam mostrar indícios em sua fase inicial, e com os cerebrais não é diferente.

Todavia, quando os sintomas aparecem, vão desde dores de cabeça, náuseas, alterações visuais e auditivas até confusões mentais e dificuldade motora.

O que causa um tumor?

As causas de tumores ainda são desconhecidas.

Porém, estudos vem mostrando que há fatores de risco para o surgimento dessas massas, como por exemplo o tabagismo, uso abusivo de álcool, sedentarismo, obesidade e estresse.

Por se tratarem de estudos ainda em fase de desenvolvimento, esses dados não são considerados precisos.

Como é feito o diagnóstico?

De maneira geral o diagnóstico é feito por meio de exames de tomografia e ressonância, porém, após a identificação do tumor, é realizado uma biópsia para que o resultado seja conclusivo a respeito do tipo de tumor (benigno ou maligno).

Existe um tratamento para tumor maligno?

O tratamento é minucioso e conta com diferentes profissionais em conjunto.

O paciente poderá passar por cirurgias, radioterapias, quimioterapias, tratamentos medicamentosos dentre diversos outros recursos médicos.

Aneurisma cerebral

Aneurisma cerebral: você sabe o que é?

O que é aneurisma?

O cérebro é composto de diversos componentes, e dentre eles há artérias. Quando a pressão do sangue por algum motivo força uma região menos resistente da artéria, surge uma protuberância que é passível de rompimento ou que pode comprimir outras partes do cérebro. Essa protuberância é o chamado aneurisma

Aneurismas são sérios e suas consequências podem ser irreversíveis. Ao sinal de qualquer indício, procure seu médico.

Existe apenas um tipo de aneurisma cerebral?

Não, aneurismas variam de tamanho e localização, o que faz de cada caso único.

Quais são os sintomas do aneurisma cerebral?

Os sintomas podem não existir no caso de aneurismas pequenos, todavia em casos mais graves, o paciente pode sentir fortes dores de cabeça, náuseas e até perda de consciência.

Sangramentos excessivos podem ser fatais (os sangramentos não são visíveis, pois ocorrem no interior da cabeça).

O que causa um aneurisma cerebral?

As causas nem sempre são exatas, mas há fatores de risco que podem aumentar as chances de desenvolver esse problema: fumo, hipertensão, consumo excessivo de álcool e uso de drogas.

Aneurismas podem nascer com o paciente ou surgirem depois. Todavia, é mais comum em adultos do que em crianças.

Traumas e infecções podem ser causadores do aneurisma, por isso é importante se dirigir a um médico quando bater a cabeça ou apresentar sinais de infecção.

Como é feito o diagnóstico?

O diagnóstico requer exames laboratoriais, dentre os mais comuns são estão a tomografia computadorizada da cabeça e a ressonância magnética da cabeça.

Existe tratamento para aneurisma cerebral?

O tratamento ocorre de acordo com a localização e tamanho do aneurisma.

Cirurgias e medicamentos são os recursos mais utilizados para tratar aneurismas.

Estou com um aneurisma, e agora?

Aneurismas podem estourar e ser fatais, portanto, é necessário um cuidado especial para evitar o sangramento. Medicamentos para evitar convulsões e dores podem ser o primeiro passo, ao mesmo tempo em que é necessário fazer repouso total.