andropausa

Andropausa: a menopausa masculina

O que é andropausa?

Os hormônios masculinos são produzidos em sua maioria nos testículos, todavia, quando estes deixam de produzir hormônios o suficiente, temos a chamada andropausa.

Aproximadamente 33% dos homens acima de 60 anos irão passar pelo processo da diminuição de hormônios, portanto, o problema não é considerado generalizado. O processo não é instantâneo, mas sim gradual, podendo durar décadas.

A doença é comumente chamada de “Menopausa masculina”, contudo, ambas são muito diferentes.

Quais os sintomas da andropausa?

A variedade de sintomas é grande e depende de cada caso, contudo a queda hormonal pode ocasionar alterações uma de humor, cansaço, perda de massa muscular e diminuição da libido.

A diminuição da testosterona pode também estar associada a doenças cardiovasculares, diabetes, aumento de colesterol e hipertensão, por isso é importante buscar ajuda médica.

Não há um sintoma específico que indique a andropausa como ocorre com o fim da menstruação nas mulheres, por esse motivo o diagnóstico requer um profissional qualificado e uma análise minuciosa dos sintomas.

Existe tratamento para a andropausa?

Sim, mas apesar de o tratamento existir não está relacionado a resgatar a juventude do homem, mas sim como um controle dos sintomas.

De maneira geral a reposição hormonal é o método utilizado para tratar o problema, e a reposição, contudo, ocorre geralmente por meio de medicação.

o médico indicado para tratar essa doença é no entanto o endocrinologista, pois esse especialista é apto para diagnosticar e acompanhar quadros de disfunções hormonais, ao exemplo da testosterona.

Há um meio de prevenir a andropausa?

Por se tratar de um processo normal do corpo, não há um meio científico de prevenir o problema, mas se consultar com um médico regularmente após os 40 anos de idade é um meio de descobrir a doença com maior facilidade e assim poderá haver um controle maior dos sintomas.

síndrome de cushing

Síndrome de Cushing

O que é a síndrome de cushing?

Há no corpo diversos hormônios que mantém o corpo funcionando adequadamente, dente tantos hormônios, temos o chamado cortisol.

O cortisol é conhecido como o hormônio do estresse, e mesmo sendo benéfico para o corpo, em muitos casos pode causar o aumento de gordura corporal e a perda de massa muscular, sendo assim visto como algo maléfico para o organismo.

A síndrome é, portanto, o nível elevado de cortisol.

O que causa a síndrome de Cushing?

O cortisol é produzido pelas glândulas suprarrenais, e estes são também os responsáveis pelos altos níveis do hormônio. Todavia, há casos em que o problema surge como uma decorrência do uso excessivo de medicamentos corticoides.

Quais são os sintomas da síndrome de Cushing?

Os sinais são muito relativos a cada caso, contudo, na maioria das vezes a obesidade ocorre em pacientes com o problema. Indícios que podem ou não surgir são de cunho cutâneos, ou seja, que acometem a pele, exemplos são acne e estrias.

Em mulheres é possível que a paciente apresente desregulação na menstruação e pelos no rosto (hirsutismo).

Em homens, no entanto, é frequente que haja uma diminuição da libido e disfunção erétil.

Como é feito o diagnóstico da síndrome de Cushing?

Por se tratar de uma deficiência hormonal, não há exames físicos que comprovem a doença, contudo, exames de sangue e urina são suficientes para realizar o diagnóstico

Existe tratamento para a síndrome de Cushing?

Infelizmente não há cura, mas sim um controle do problema.

Como conviver com a síndrome de Cushing?

Conviver com qualquer doença significa mudar hábitos antigos e criar novos. Nesses casos as primeiras mudanças devem ser em comportamentos alimentares, ou seja, manter uma dieta saudável e balanceada.

Mulher com tireóide colocando a mão no pescoço

Hipotireoidismo: Entenda os sintomas

O que é hipotireoidismo?

O hipotireoidismo é a falta de hormônios da tireoide, isto é, o corpo não produz hormônios suficientes para manter o corpo em ordem. As mulheres são consideravelmente mais atingidas pela doença.

O hormônio da tireoide é o responsável por garantir que todo o metabolismo do corpo humano funcione de maneira correta, e sua principal característica é a de garantir o armazenamento adequado de energia.

O que causa o hipotireoidismo?

Geralmente, a causa do hipotireoidismo está associada a doença autoimune chamada Tireoidite de Hashimoto, mas há fatores de risco para se desenvolver o problema.

Fatores de risco são condições que facilitam o surgimento de doenças, no entanto, para o caso do hipotireoidismo, os fatores são a idade acima de 60 anos, ter histórico familiar da doença, passar por sessões de radioterapia ou estar gestante/lactante.

Há também o congênito, que surge desde o nascimento, entretanto o chamado “teste do pezinho” detecta esse problema logo nos primeiros dias de vida da criança.

Quais são os do hipotireoidismo?

De forma geral os sintomas são facilmente ignorados ou associados a outras doenças. Fadiga, prisão de ventre, rouquidão, colesterol alto e depressão são indícios comuns do hipotireoidismo.

Contudo, o sintoma que geralmente as mulheres percebem com mais facilidade, é o ganho de peso sem explicação e o inchaço.

Como é feito o diagnóstico?

O diagnóstico requer exame laboratorial para que se comprove a doença o exame geralmente é um hemograma.

Qual médico procurar para tratar o hipotireoidismo?

Por se tratar de uma doença de cunho hormonal, o endocrinologista é o especialista mais indicado para diagnosticar e medicar os pacientes.

Existe algum tratamento para o hipotireoidismo?

Sim, hoje em dia, cada vez mais a medicina tem avançado e ajudado diversos pacientes. A reposição hormonal por meio de medicação é o método mais utilizado, contudo é certamente necessário um especialista qualificado para indicar um tratamento efetivo.

pessoa com medidor de insulina verificando sua diabetes

Diabetes: Falta de açúcar no sangue?

O que é diabetes?

Conhecida popularmente como “falta de açúcar no sangue” a diabetes na verdade é a dificuldade que o pâncreas pode apresentar em produzir insulina (hormônio que absorve a glicose no corpo). Há, no entanto, mais de um tipo dessa doença.

Quais sintomas da diabetes?

Os sintomas são facilmente percebidos, porém, são eventualmente confundidos com outras doenças. É importante ater-se a feridas que demoram para cicatrizar, aumento do apetite, alterações de visão e infecções na pele e nas unhas.

Como descobrir se tenho diabetes?

Ao sinal de um ou mais sintomas, procure seu médico.

O diagnóstico é feito através de exame de sangue. Podendo ser o exame no entanto, laboratorial ou durante a própria consulta.

Comer açúcar causa diabetes?

O tipo 1 apresenta como causa a incapacidade do pâncreas em produzir insulina.

No tipo 2, contudo, o pâncreas produz a insulina, mas com pouca eficiência, ou seja, a insulina não consegue sintetizar a glicose.

Há também a chamada gestacional, que é decorrente do aumento de peso da mãe.

O consumo de açúcar não leva um paciente a desenvolver essa doença, todavia, o sobrepeso pode ser uma causa para a doença.

Você sabia? aproximadamente 90% das pessoas com diabetes tipo 2 são obesas.

Como é feito o tratamento da diabetes?

O tratamento pode ser feito com uso de insulina injetável ou medicamentos, porém, exercícios físicos e reeducação alimentar podem auxiliar no tratamento.

Convivendo com a doença:

A diabetes não possui cura, entretanto, é possível que seja controlada. O paciente diagnosticado com a doença, precisa mudar seus hábitos alimentares e iniciar uma prática de exercícios caso queira melhorar sua qualidade de vida.

Geralmente, conviver com a diabetes significa ter que medir a glicemia em casa e por vezes fazer uso de medicações injetáveis, todavia, cada caso é único e deve ser acompanhado por um especialista.

Qual especialista pode fazer o acompanhamento da diabetes?

Se você já possui um clínico geral de confiança é possível que este auxilie no tratamento desse problema. Porém, como se trata de uma doença de cunho endocrinológico, o médico endocrinologista é o mais recomendado para o tratamento.

No caso de crianças e idosos, o pediatra e o geriatra também podem fazer o acompanhamento de seus pacientes respectivamente.

Transtorno do crescimento

O crescimento e seus problemas

O que é transtorno do crescimento?

O crescimento de qualquer indivíduo é relativo a seu modo de vida e seus hábitos, entretanto, por vezes a estatura de alguma criança aparenta muito fora dos padrões.

Nesse caso é possível que haja alguma disfunção hormonal (o hormônio do crescimento é chamado GH).

O transtorno do está ligado a fatores hormonais, e não genéticos, portanto, nanismo não é um transtorno do crescimento.

O problema é comumente associado a crianças, porém, adultos também podem sofrer com a doença.

Quais os sintomas do transtorno do crescimento?

O sintoma é em suma, físico, ou seja, visivelmente uma criança pode ser mais baixa ou mais alta que os demais de sua idade.

Vale lembrar que o fator genético é que determina a altura, portanto filhos de pais com estatura baixa, possivelmente serão mais baixos também, o que ocorre em casos de pais com estatura mais alta.

Ser uma pessoa “baixa”, não necessariamente quer dizer que o paciente possui alguma disfunção do crescimento.

Quais as causas do transtorno do crescimento?

A principal causa é a disfunção hormonal, mas não só isso como doenças crônicas e desnutrição também podem ser possíveis causas.

Crianças que nasceram prematuras (menos de 37 semanas de gestação), também podem ter esse distúrbio.

Como é realizado o diagnóstico?

O diagnóstico geralmente é feito por um conjunto de análises que podem envolver exames físicos, exames de sangue e raio X de idade óssea.

Em consultas de check-up, o médico costuma medir a altura e pesar seus pacientes. Esse simples procedimento é a primeira maneira de se diagnosticar qualquer anormalidade.

Qual o tratamento mais indicado para transtorno do crescimento?

O tratamento depende da causa, entretanto, o paciente pode recorrer a recursos pediátricos, nutricionais e endócrinos. Cada caso, no entanto, requer uma análise única.